Start up! Artes Gráficas

Trabalhos feitos por profissionais com + de 10 anos de experiência em artes gráficas!

Principais sites de Notícia do Brasil

Rio Grande do Sul e Vale do Taquari (Lajeado e região)

Canva

O software online que veio para ficar!

Cores

Curiosidades sobre cores

Design Freelancer

Quais as etapas da venda de um projeto

Monitores

Qual o melhor monitor para designer gráfico?

E quando não existia Photoshop?

Veja como eram editadas as fotos

Designer x Arte finalista

Diferença entre Arte finalista e Designer

segunda-feira, 20 de junho de 2016

9 LIÇÕES SOBRE DESIGN QUE APRENDEMOS COM CHAVES

O seriado Chaves é realmente um marco na vida de muitos. Mas talvez você ainda não tenha notado que podemos tirar lições da obra de Roberto Bolaños que nos ajudarão profissionalmente.
Confira abaixo nove lições sobre design que aprendemos com Chaves:

1) Uma boa apresentação faz toda diferença


Lembra-se do episódio da barraca de refrescos? A barraca do Chaves foi rapidamente ofuscada pela barraca do Quico: mais bonita, mais moderna, mais profissional.
No design, é preciso sempre focar na apresentação dos seus serviços. Por mais que a qualidade ainda seja a coisa mais importante, o cliente pode escolher justamente a apresentação – o site, o cartão de visitas, a identidade visual – como o fator decisivo de escolha entre você e seu concorrente.
Investir em um bom visual e impressionar o cliente pela apresentação é algo que agrega valor aos seus serviços.

2) Aproveite eventos para se autopromover


Nos episódios sobre o festival da boa vizinhança, cada personagem da vila aproveitou o evento para mostrar suas habilidades teatrais e musicais.
Como você, designer, encara os eventos da área? É claro que você não subirá ao palco para recitar “a volta do cão arrependido”, mas é importante encarar tais eventos como oportunidades de se autopromover e fazer networking com outros profissionais.

3) Tirar férias é essencial


Nos episódios em Acapulco, vemos os personagens de férias, em uma bela praia e um lindo hotel.
Todo profissional precisa de férias. Por mais recompensador (e até viciante) que seja trabalhar, desligar o computador e tirar alguns dias para esquecer dos projetos é essencial.
É importante que todo designer – em especial aqueles que trabalham por conta própria – planejem suas férias. No retorno ao trabalho, a energia e a criatividade estarão recarregadas.

4) Um bom empreendedor nunca desiste


O personagem de Ramón Valdés, o Seu Madruga, é a verdadeira personificação da perseverança. A cada episódio, lá estava ele se virando como podia. A lista dos seus trabalhos é enorme: sapateiro, vendedor, pintor, carpinteiro, e por aí vai.
Na vida empresarial, também é preciso ser perseverante. Trabalhar por conta própria pode ser frustrante, pois nem sempre as coisas saem como se esperavam. Mas é preciso tentar coisas novas todos os dias e não desistir nas primeiras falhas.

5) As contas sempre chegam


O personagem de Édgar Vivar, o Seu Barriga, é um constante lembrete de que as contas sempre estarão presentes em nossas vidas.
Por isso, mais uma vez o planejamento é essencial. Saber quais são seus custos mensais o ajudarão a administrar melhor a vida financeira.
Um designer que tem um bom planejamento financeiro acaba se preocupando menos com contas, pois não gasta mais do que recebe, e assim consegue fazer com que sua vida profissional flua mais livremente.

6) É preciso ter cuidado ao entrar em uma sociedade


Quando Seu Madruga e Dona Florinda firmam uma sociedade para venda de churros, o resultado não poderia ter sido outro: o fracasso total.
Antes de entrar em uma sociedade, tenha muito cuidado com o tipo de pessoa com quem irá se associar. Mesmo que seja um colega de faculdade ou um amigo de muitos anos, é preciso descobrir se sua forma de pensar e administrar um negócio é semelhante a do seu futuro sócio.
Além disso, é importante que suas habilidades sejam complementares e que não entrem em conflito criativo com as habilidades da outra pessoa.

7) As aparências podem enganar


No episódio em que Chaves, Quico e Chiquinha precisam entrar na casa da brux… digo, da Dona Clotilde, a imaginação rola solta e eles fantasiam sobre a experiência.
Muitas vezes um designer (talvez por ser criativo até demais) acaba fantasiando muito sobre aquela reunião com um cliente importante ou aquela temida entrevista. Dessa forma, a ansiedade e a insegurança podem aumentar ao imaginarem situações extremas.
É importante manter a calma para passar segurança ao seu cliente ou futuro empregador.

8) Terceirizar serviços requer muita cautela


No episódio em que Dona Florinda pede ao Chaves que compre um bolo, com intuito de dizer ao Professor Girafales que foi ela que fez, tudo dá errado. E depois, quando Chaves tenta consertar o erro fazendo um bolo junto com a Chiquinha, as coisas só pioram.
Muitas vezes é preciso terceirizar algum serviço para que o mesmo seja entregue na data estipulada. Não há nada de errado com isso. Porém, é necessário muita cautela na escolha do profissional que executará o serviço para você.
Lembre-se que independente do profissional terceirizado que faça o serviço, é a sua reputação que está em jogo. Tenha muito cuidado, para não entregar projetos nas mãos de pessoas desqualificadas.

9) A falta de comunicação pode ser catastrófica


A famosa frase “já chegou o disco voador” é um clássico exemplo de como a falha na comunicação pode estragar qualquer plano.
Dentro de uma agência de design ou mesmo entre o freelancer e seus clientes é preciso que haja constante comunicação para evitar problemas futuros e irritação desnecessária.

Fonte: http://www.designerd.com.br/

5 MANEIRAS INTELIGENTES DE CRIAR UM CONTEÚDO QUE VAI MUITO ALÉM DO BÁSICO

Há uma quantidade impressionante de conteúdo publicado nas mídias sociais a cada minuto (1,3 milhões de mensagens do Facebook, 350 mil tweets e 100 horas de vídeo), e muito disso é realmente bom. Muito bom. Empresas grandes e pequenas aperfeiçoaram a arte de contar histórias em seus canais de social, e conteúdos corporativos acumularam uma quantidade enorme de seguidores no YouTube e Instagram.



Alguns exemplos são marcas como a GoPro, que transforma o cliente no herói de seu conteúdo, e estrelas de mídia social que venceram por esforço próprio, como Bethany Mota, que conseguiu o tipo de público fiel persistente com o qual muitos departamentos de marketing apenas sonham. Isso significa que os consumidores estão saturados com conteúdo de alta qualidade.
Então, como as marcas se destacam e são notadas no tumultuado mundo da mídia social? Com certeza é possível, mas não é fácil; isso requer consistência, criatividade e pensamento inovador.
Recentemente, conversamos com vários especialistas no tema para entender como eles fazem seu conteúdo digital se destacar. O conselho foi compilado em um guia detalhado de mídia social para profissionais de marketing de conteúdo, que já é um de nossos white papers mais baixados.
Selecionamos cinco dicas do guia que você pode aplicar hoje à sua estratégia de mídia social.

1. Tenha certeza de que seu conteúdo passa no teste “Eu pagaria para que as pessoas vissem isso?”

Essas dicas são de David Kellis, Diretor de RP e Mídia Social da The Clorox Company. Ele recomenda que antes de publicar uma parte do conteúdo, você deve se perguntar: “Eu pagaria para promover esse post, tweet ou pin?”. Se a resposta for não, então você deveria recomeçar do zero.
Essa é uma excelente maneira de manter sua equipe sob controle e garantir que estejam sempre publicando um conteúdo consistente e incrível.

2. Faça de sua paixão e personalidade parte de seu conteúdo

Eu gosto muito dessa. Na verdade, minha filosofia de marketing pessoal é: “Só faça marketing para empresas e produtos em que você realmente acredita e pelos quais sinta entusiasmo“. Por que? Porque sim. Se você é um vegano devotado que gerencia a conta de mídia social do McDonalds, é provável que você não acredite verdadeiramente no conteúdo que está criando, e seu público vai sacar isso.
[ads2]
Jason Miller, que lidera as iniciativas globais de conteúdo e social para o LinkedIn Marketing Solutions, afirma:
“Se conseguir colocar sua personalidade em suas atitudes e na mensagem que compartilha, você estará um passo à frente no jogo do marketing de conteúdo. O público pode sentir quando uma pessoa gosta de um determinado tópico e se é sincera ou não na mensagem que entrega. Além disso, paixão acrescenta credibilidade e confiança que, na minha opinião, estão faltando no conteúdo que vemos na internet hoje.”
Ele sugere que os criadores de conteúdo de social incorporem elementos de suas paixões pessoais em seu conteúdo. Por exemplo, Jason sempre mistura referências de rock em seus posts (ele é um fotógrafo de rock e fã de música).
Imagem 3

3. Trate sua mídia visual como uma manchete

Há uma citação famosa do pai da propaganda, David Ogilvy, que diz: “Em média, as pessoas leem cinco vezes mais a manchete do que o texto na íntegra. Depois de ter escrito sua manchete, você gastou oitenta centavos do seu orçamento”.
Jason Miller sugere que no social as imagens funcionam como manchetes. Afinal de contas, você tem meros segundos para chamar a atenção de seu público.
Tratar seu visual como a nova manchete é uma maneira de se destacar. “Eu vi muitos exemplos de conteúdo baseado em texto reaproveitado em um formato visual e atingir 10-15 vezes mais visualizações do que o original. Essa é uma virada de jogo no mundo do marketing de conteúdo.”
Imagem 4
Esta foto incrível do Messi (publicada pela Adidas) chama sua atenção imediatamente, mesmo em um feed lotado do Facebook.

4. Faça do cliente o herói de sua história

É fácil para as marcas se empolgarem com o que está sendo dito sobre elas no social. Afinal, muitas empresas ainda estão presas no modo como fazíamos marketing: comerciais de TV, spots de rádio e outdoors falando ao cliente sobre como seu produto é impressionante.
Michael Brenner, Diretor de estratégia da NewsCred, alerta os profissionais de marketing de conteúdo que um dos erros mais comuns (e prejudiciais) que eles cometem é criar muito conteúdo só sobre a marca, o que faz o público se desinteressar.
“Para ser interessante, uma marca precisa criar um conteúdo que seja 100% para o público. Tire a marca da história. Transforme o cliente em herói e seu público prestará atenção. Valor não é negociável no cenário atual de informações supercompetitivas.”

5. Inclua uma narrativa de defesa da marca em sua estratégia de conteúdo

Marketing de conteúdo não é só publicar e promover conteúdo gerado pela marca. Michael Brito da agência digital WCG incentiva as empresas a incluirem uma narração participativa em sua estratégia de marketing de conteúdo.
A narração participativa nada mais é do que capacitar, treinar e mobilizar defensores da marca, tanto funcionários quanto clientes, para participarem de conversas e contarem a história da marca.
Michael afirma:
“A narrativa da marca é mais do que apenas um conteúdo, publicidade nativa ou campanhas criativas no Facebook. Ela também envolve a mobilização de funcionários para participarem e alimentarem o motor do conteúdo. E isso não se limita aos funcionários tweetarem ou compartilharem notícias da empresa no social, mas sim encontrar boas histórias sobre a marca, seus produtos ou funcionários e usar conteúdo de longa duração para informar as pessoas sobre ele.
As empresas devem mobilizar stakeholders, desde funcionários até clientes e a mídia, para participarem do seu marketing de conteúdo e ajudarem a contar a história da marca sob sua própria óptica.

Fonte: http://publicitei.com.br/

10 DICAS PARA POTENCIALIZAR A SUA CRIATIVIDADE


Quantas vezes você já precisou de uma ideia daquelas, mas não conseguiu pensar em nada no momento? Ou ainda, estava fazendo uma atividade qualquer e de repente uma super ideia surge como um passe de mágica em sua cabeça? Isto é mais comum do que você imagina, pois ideias vêm e vão a todo o momento, mas existem horas que parece que elas simplesmente somem de nossa vida, e isso é o que chamamos de bloqueio criativo.
Engana-se quem pensa que bloqueio criativo é algo voltado somente para profissionais de criação, marketing ou design. Hoje a criatividade nos negócios tem sido um tema bastante abordado, pois para inovar é preciso utilizar o lado direito do cérebro.
Há quem acredite que criatividade deve ficar do lado de fora da administração, porém foram justamente manobras criativas e bem pensadas que destacaram muitas empresas que temos como referência em diversos segmentos de mercado. Portanto, invista mais em seu lado criativo e comece a perceber a criatividade como uma ferramenta estratégica. Dessa forma, as ideias vão começar a surgir de maneira muito mais freqüente.

Confira 10 dicas para combater o bloqueio criativo e potencializar a criatividade:

1. Acredite em seu potencial criativo – O primeiro passo para o bloqueio criativo é acreditar que esta é uma habilidade que passa longe de seu repertório comportamental. Quando se acredita não ser uma pessoa criativa, as chances de bloquear o lado direito do cérebro aumentam consideravelmente. Não existe pessoa sem criatividade, o que existe é a falta de treino e a desatenção às suas ideias.

2. Não tenha vergonha – As ideias mais brilhantes, também já foram consideradas absurdas um dia. Pessoas criativas muitas vezes são chamadas de loucas ou vistas com certa desconfiança quando expõem suas ideias. O que não as impedem de continuar a pensar em soluções diferentes para problemas comuns. Não tenha vergonha de expor suas ideias, se precisar se sentir mais seguro coloque-as no papel, estruture de maneira que você possa entender melhor o que pensa, mas jamais deixe de expor aquilo que acredita.

3. Converse com pessoas de fora do seu meio profissional – Independente da sua atuação, procure estar em contato com pessoas de diversas outras áreas, procure saber como elas agem no ambiente de trabalho, quais as ações que tomam quando precisam resolver problemas complexos e como trabalham a criatividade. Você vai perceber que pode também encontrar muitas respostas que precisa em profissões que jamais poderia imaginar.

4. Leia conteúdos interessantes – Nem sempre a resposta para o que você precisa vai estar justamente naquele livro específico sobre o tema. Procure abrir sua mente e buscar aquilo que te interessa, mesmo que pareça não ter nenhuma conexão com o que procura no momento. Intuitivamente seu cérebro já estará se preparando para despertar o lado criativo, fazendo com que você perceba coisas que talvez não observasse pensando apenas tecnicamente sobre o assunto.

5. Escute uma boa música – Há quem consiga trabalhar ouvindo música, outros ainda perdem totalmente a concentração até com o assobio do colega ao lado. É preciso perceber este tipo de coisa e saber como a música pode ser utilizada a favor da criatividade. Parar alguns minutos para ouvir uma música que te inspire pode ser um oxigênio para boas ideias. Experimente.

6. Alimente-se – Já diziam nossas avós: Saco vazio não para em pé! Da mesma forma, afirmamos: Boas ideias não surgem quando temos necessidades a serem saciadas. A dica é simples, não fique com fome. A menos que você seja um chef de cozinha e precise inventar uma super receita, tentar encontrar uma solução criativa com a barriga vazia pode fazer com que suas idéias não parem em pé.

7. Pense fora da caixa – Pensar fora da caixa é fazer algo da forma que jamais tinha se imaginado antes e abrir-se a novas possibilidades para enxergar algo novo, além daquilo que se está acostumado. Portanto, não basta apenas “pensar em pensar” fora da caixa, é preciso também saber qual é a sua caixa. Reveja seus conceitos e não tenha medo de fugir dos padrões.

8. Procure saber o que desperta sua criatividade – Há pessoas que gostam de desenhar, outras ainda, que preferem assistir a um filme ou até mesmo um desenho animado. Mas nem toda pessoa tem a mesma dinâmica, por isso é importante saber o que despertam suas ideias, pois o que funciona com um, nem sempre será a formula para o sucesso de outro. Saiba o que alimenta sua criatividade e cultive este hábito.

9. Saia da rotina – Experimente mudar uma vez por semana a rota do seu caminho para o trabalho, entre naquela loja que sempre teve vontade, troque o café por chá eventualmente. Faça coisas das quais fogem ao seu dia a dia uma vez ou outra. Pode causar certa estranheza em um primeiro momento, mas isto ajuda a ativar áreas do cérebro que podem não estar sendo desenvolvidas. Pense nisso.

10. Não tenha medo de errar – Para esta última dica, deixamos as palavras de Michael Jordan: “Errei mais de 9.000 cestas e perdi quase 300 jogos. Em 26 diferentes finais de partidas fui encarregado de jogar a bola que venceria o jogo e falhei. Eu tenho uma história repleta de falhas e fracassos em minha vida. E é exatamente por isso que sou um sucesso.” Pare de se preocupar com o erro, isto só traz angustia e estagnação. No jogo da criatividade assim como na vida, errar também proporciona aprendizado. Siga em frente!
Fonte: http://www.cafecomgalo.com.br/
← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial