sexta-feira, 4 de novembro de 2016

5 DICAS DA ADOBE PARA SE TORNAR UM DESIGNER DE SUCESSO


A Diretora Senior da Adobe, Jamie Myrold, traz 5 dicas que com certeza te ajudarão a se tornar um designer melhor: só depende de você!

Como pessoas em outras áreas, o designer tende a cair num trajeto de carreira:
Se o seu primeiro trabalho for numa companhia de software, é provável que o próximo emprego também seja. Caso comece numa ONG, é provável que parte para outras. A não ser que você fazer escolhas de carreira deliberadas, é claro.
Os desafios de carreira  a serem resolvidos variam de designer para designer e de uma empresa para outra. Mas as seguintesregras cobrem a maior parte deles.

1. O bom designer faz perguntas SEM MEDO

Um job é um só um job, mas uma carreira é um problema de design.
A primeira habilidade que um designer precisa ter é a confiança para fazer perguntas. Não há problema em não saber tudo, e inclusive é até bom que não saiba pois isso te forçará a estar mais aberto a questionamentos.
Perguntas pode ser difícil, ainda mais quando você está rodeado de pessoas de maior hierarquia que te deixam com medo de parecer burro.
Mas se manter em silêncio é tão ruim quanto – afinal, você está numa reunião pois essas pessoas querem a sua ajuda, e a única maneira de você realmente resolver o problema delas é saindo sem dúvidas.
Isso é essencial para se tornar um designer melhor e criar a melhor marca da sua vida (ou qualquer outro projeto de sucesso)!

2. Pegue todas as oportunidades de liderança que encontrar

Você trabalha duro e não chega a lugar nenhum enquanto outros vão avaçando? Parece contraditório, mas é bem comum de acontecer.
Fato é que algumas pessoas parecem ser um carisma e liderança inatos, mas também é fato que isso pode ser aprendido – inclusive por você!
Para se tornar um grande designer, é necessário se promover: seja escrevendo em um blog (oi!), participando de concursos ou simplesmente se envolvendo em grandes projetos.
E não, não é difícil de se envolver em um grande projeto: há várias ONGs por aí precisando da sua mão-de-obra, basta você querer ajudar. Eu mesmo trabalho para uma think tank da ONU e não foi nada difícil conseguir a vaga!
Ao contrário da galera de MBA que já recebe treinamento de liderança antes de entrar no mercado, você como designer terá que correr atrás dessas habilidades: como em cursos gratuitos do edX, por exemplo.

3. Seja o Evangelista de Design na sua empresa (mesmo se ela desprezar o design)

Nem todas empresas apoiam o “modo designer de pensar”, e se você estiver em uma delas, você tem dois problemas a resolver:
• Fazer designs bons e lucrativos;
• Fazer os líderes entenderem a importância do design na empresa.
As vezes a empresa sabe que seu  site que não está gerando lucro, ou que seu app tem funções mal usadas, mas ela não sabe que você pode resolver esses problemas (que você é mais que o cara que deixa as coisas bonitas).
Nesses lugares, você tem que se tornar um pregador da palavra do design, trazendo credibilidade ao design através dos seus trabalhos na organização.
Vi muita gente que foi contratada para ser um mero designer e acabou liderando um departamento inteiro, e todos eles tinha uma coisa em comum:
  • Uma vontade natural de resolver problemas;
  • A determinação para melhorar os processos;
  • Um desejo de se conectar com as pessoas da organização.

4. Faça a amigos fora do setor de design

Geralmente, o designer se mantém na dele, alheio a todas oportunidades ao seu redor.
Essas oportunidades não irão se revelar: é seu trabalho caçá-las ao fortalecer seu networking com pessoas ao longo de toda a empresa.
Ao ensiná-los o processo de design e como ele pode impactar a empresa estrategicamente, o designer pode criar “excitação” por todos os times – afinal, o quão mais você envolve as pessoas, mais elas se importam com seu trabalho.
Comece se aproximando dessas pessoas aos poucos, procurando aquelas que parecem realmente apreciar a sua profissão: esses são os mais propensos a advogar a favor do design.
Descubra seus desafios e inclua-os em projetos através de reviews e conselhos (não os de “aumenta o logo”, obviamente, mas sim funcionais). São esses que podem te ajudar a resolver um problema técnico ou comercial, por exemplo.
Quanto mais respeitada essa pessoa for na empresa, mais respeito você pode vir a ser! Só cuidado para não ser o interesseiro.

5. Persiga os problemas interessantes

O que acontece se um designer tenta promover a prática do design, mas não tem nenhum progresso?
Se perguntar se há problemas melhores a serem resolvidos; a resposta depende do quanto você acredita no projeto para o qual foi contratado.
Ter um senso de orgulho no seu trabalho tende a gerar a energia essencial para vencer obstáculos, portanto, se a sua empresa não vende algo com o qual você se importa, será difícil fazer alguma diferença na empresa.
Talvez seja a hora de procurar outra vaga, ou até mesmo começar seu home office – hoje em dia, há oportunidades para designers em todos os lugares.
E se você estiver com medo de cair fora (afinal, estamos em crise), tente usar seu tempo para afiar a sua carreira em vez de assistir Netflix!
Fonte: http://www.temporalcerebral.com.br/

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário