Start up! Artes Gráficas

Trabalhos feitos por profissionais com + de 10 anos de experiência em artes gráficas!

Principais sites de Notícia do Brasil

Rio Grande do Sul e Vale do Taquari (Lajeado e região)

Canva

O software online que veio para ficar!

Cores

Curiosidades sobre cores

Design Freelancer

Quais as etapas da venda de um projeto

Monitores

Qual o melhor monitor para designer gráfico?

E quando não existia Photoshop?

Veja como eram editadas as fotos

Designer x Arte finalista

Diferença entre Arte finalista e Designer

sábado, 19 de julho de 2014

Volta ao Mundo da Infografia: Espanha



Falar sobre a infografia espanhola em apenas um post é literalmente impossível - mas aqui vai.
É literalmente impossível porque, só para se ter uma ideia do alcance de uma das maiores potências mundiais do jornalismo visual, basta ver onde estão alguns dos seus mais conceituados personagens:Chiqui Esteban no Boston GlobeJavier Zarracina no Los Angeles TimesXaquín G.V. no The New York TimesFernando Baptista e Juan Velasco na National GeographicAlberto Cuadra no The Washignton PostAdolfo Arranz no South China Morning Post - e poderíamos continuar.
Isto tudo sem falar de Jaime Serra (que esteve aqui no Brasil em 2012, no Infolide), considerado o infografista mais influente das últimas duas décadas, na vigésima edição do Malofiej, o grande evento da infografia mundial que ocorre - claro - em Pamplona, na Espanha. O infográfico mais importante desses vinte anos foi o “Ballena Franca”, do jornal argentino Clarín, também de autoria do Jaime Serra:
A Baleia Franca de Jaime Serra
Graças aos laços históricos e culturais entre Espanha e a América Latina, não admira que a influência destes profissionais se tenha estendido para os países de lingua oficial espanhola, e também no Brasil - a passagem do Alberto Cairo pela redação da Época foi um dos momentos mais determinantes na história recente da infografia do nosso país, com a produção do Diagrama (O Marco Vergotti contou um pouco dessa história aqui).
Outro exemplo é o caso do grande Luiz Iria, que talvez não tivesse se dedicado a aprender infografia, não fosse a visita de grandes infografista espanhóis à redação da SuperInteressante, lá em 1995, como ele nos contou recentemente.
Mas chega de história - aliás, o Chiqui Esteban falou sobre o porquê da força da infografia espanhola, como tudo começou, nesta entrevista. Vamos mostrar duas dezenas de trabalhos de alguns dos infografistas já mencionados e de outros cujo trabalho é igualmente impressionante, como o Carlos Gámez Kindelán ou o Juan C. Sanchez.

Tour 100 | La Vanguardia

Tour 100, infographic by Raúl Camañas | La Vanguardia

Lixo Espacial | Publico

Space debris , infographic by Chiqui Esteban

Os 'Medalheiros' no Mundo| Publico

The medal table and the world, infographic by Chiqui Esteban

7 minutos de terror em Marte | La Vanguardia

7 minutos de terror em Marte, infográfico do La Vanguardia

David Villa | Diario AS

David Villa, infographic by Miguel Ángel Fernández

Vulcões | El Mundo

Volcanoes, infographic by Adolfo Arranz  for  El Mundo

A busca por tesouros submarinos | La Gaceta

The search for the remains of wrecks or underwater vessels, infographic by Carlos Aguilera, Javier Aguilera | La Gaceta

Iceberg | El Mundo

Iceberg, infographic by Adolfo Arranz  for  El Mundo

Ford: revolução em quatro rodas | La Gaceta

A revolution on four wheels, infographic by Carlos Aguilera, Javier Aguilera | La Gaceta
Mas não é só no impresso que a infografia espanhola marca presença. Algumas das primeiras redações a produzir conteúdo interativo, na década de 90, pertenciam a jornais espanhóis, como o El Mundo e o El País. Hoje, portais como o La Informacion ou o 20minutos também apelam para a interatividade, com resultados brilhantes:

Economia Musical | La Informacion

Musical Economy, an interactive graphic by Carlos Gámez Kindelán

O Mundial de Fórmula 1 | 20minutos

Partial screen capture of 20.Minutos' interactive graphic Formula One by the numbers

A carreira de Beckham |Marca

Captura de tela parcial do infográfico interativo A carreira de Beckham

Cronologia do Space Shuttle | La Informacion

Space Shuttle missions

Wagner eterno | El País

 Captura de tela parcial do infográfico interativo 200 anos de Wagner

Aniversário da missão Apolo 11 | El Mundo

Anniversary of the Apollo 11 mission, infographic by Juan C. Sanchez

Como a Espanha conquistou a Copa do Mundo | La Informacion

How Spain won the World Cup , infographic by Chiqui Esteban

Real Madrid vs Barcelona (2011-2012) | 20minutos.es

Real Madrid and Barcelona: season recap (2011-2012), an interactive graphic by Carlos Gámez Kindelán

‘Repsol’ busca petróleo nas Canárias | El Mundo

Repsol seeks oil in the Canary Islands, infographic by Juan C. Sanchez

Foi um post longo, mas chegamos ao fim, com a certeza de que muito, mas muito mais poderia ser falado sobre a infografia espanhola. No próximo mês, para fecharmos a nossa 'volta ao mundo da infografia' de 2013, iremos viajar até outro país que tem laços particularmente profundos com o Brasil: a Itália.
Até lá, se gosta de infográficos, é só acompanhar o nosso Tumblr, com milhares de trabalhos em português, atualizado de hora em hora, e visitar os painéis do Pinterest - para quem gosta de jornalismo visual, este é o mais indicado.
Fonte: http://www.ideafixa.com/

10 maravilhas arquitetônicas pra se visitar antes de morrer



Quer seja pelo enquadramento com a paisagem, pela harmonia entre o edifício e a natureza ou simplesmente pela imponência e beleza visual, há projetos que ficam na história da arquitetura. Deixamos aqui 10, em diferentes partes do mundo, que definitivamente vale uma visita durante a vida.
Alguns dos maiores arquitetos do mundo estão nesta seleção, numa herança que é preciso conhecer antes de morrer.

Arquietetura18
Imagens via e via
Autor – Tom Wright, em 1994-1999, em uma ilha artificial a 300 metros da Jumeirah Beach, Dubai.

Arquietetura20
Arquietetura19
Imagens via
Autores – Szotyńscy & Zaleski (inspirados nas ilustrações de contos de fadas de Jan Marcin Szancer), em 2004, Sopot, Polônia.

Arquietetura2
Imagens via
Autor – Mathias Klotz, em 2007, Beranda, Chile.

Arquietetura4
Imagens via e via
Autor – Renzo Piano, em 1977, Paris, França.

Arquietetura6

Imagens via e via
Autor – Antonio Gaudí, em 1907, Barcelona, Espanha.

Arquietetura8
Imagens via e via
Autores – Álvaro Siza Vieira, em 1998, Lisboa, Portugal.

Arquietetura10
Imagens via
Autor – Ruy Ohtake, em 1966, São Paulo, Brasil.

Arquietetura12
Imagens via
Autor – Daniel Libeskind, em 2001, Berlim, Alemanha.

Arquietetura14

Imagens via e via
Autor – Piet Blom, em 1974, Roterdã, Holanda.

Arquietetura16
Imagens via e via
Autor – Heinz M. Springmann, em 1998-2000, Darmstadt, Alemanha.

Fonte: http://www.hypeness.com.br/

Dicas jurídicas para atuar em redes sociais



Desde 2008 para cá houve uma enxurrada de empresas para dentro de sites de redes sociais. A pedida era ganhar destaque e ser comentado com o menor custo possível. Por que era muito novo ainda, havia pouco conhecido de o que fazer lá, e legislação voltada para o ambiente digital praticamente inexistia. De lá para cá, passados 5 anos, se criou já uma série de regras e conceitos que ajudam o profissional de marketing digital a errar menos no seu trabalho. A legislação apertou, e já fizemos um post aqui de como os concursos culturais estão praticamente proibidos.
No dia 1º de novembro o pessoal do Scup lançou um ebook grátis onde falam exatamente disso: a atuação em redes sociais de um ponto de vista jurídico. É muito importante que todos que trabalham com marketing digital deem uma boa lida no material, pois é comum vermos trabalhos que falham perante a lei do Brasil. Você pode fazer o download do livro gratuitamente por aqui.
Eu acho o trabalho dos caras do Scup em construir conteúdo muito legal, até já falamos aqui de outros lançamentos deles, como esse aqui de marketing político, e um infográfico dos horários que o brasileiro usa o Twitter.

Fonte: http://www.chadecerebro.com.br/

Adobe Bridge: 10 coisas que todo designer deve saber


Entenda como o Brigde funciona e por quê você deveria usá-lo. 
Para quem ainda não sabe o Bridge é um software degerenciamento de conteudo e é instalado junto com os pacotes da Adobe Creative Suite. Mas tem muita gente que não faz uso desse software. Esse artigo serve para ajuda-los (e convence-los) a usar o Bridge – não como um software para pesquisa de fotos – mas como um verdadeiro gerenciador de arquivos. Vejam as 10 dicas que todo designer deve saber sobre ele:

Primeira e mais obvia

Prefira o Bridge em vez do Finder ou o Explorer.
Por ser um software para gerenciar conteudo, é isso que ele faz de melhor. Com recursos como colocar labels, classificar por estrelas, por tipos de arquivo e mais uma grande variedade de opções. Isso permite trabalhar com mais rapidez.
Por muitas vezes eu me via navegando por uma infinidade de pastas, referências, clientes e outras tantas possibilidades, que eu sentia que meu trabalho poderia ser mais eficiente, mas organizado e mais rápido. E acredite… ele fica.
Gaste mais tempo fazendo alguma coisa, do que procurando as peças que compõe essa coisa.

Segunda

Navegar com favoritos.
Usar o Bridge não elimina um uso organizado de pastas e arquivos. Por exemplo, eu tenho uma pasta clientes; dentro dessa pasta o nome de cada cliente… e segue numa organização mais ou menos assim:
Cliente > ed.32 > Anuncios / Capa / Diagrama / Docs / Editorial / Materias / PDF / Social / Still / templates
Esse é um exemplo de um cliente / revista que eu uso como padrão e a organização segue em mais níveis e sub-níveis, claro; O importante é encontrar o seu padrão; e depois de encontra-lo você vai aplica-lo a todos os seus clientes.
Depois de organizar seus arquivos, dentro do Bridge, você passa a criar favoritos e jogar as pastas do lado esquerdo. Você irá se surpreender com a velocidade em que você acessa os chamados arquivos roots – aqueles que te guiam para os demais sub-níveis.
image_thumb7
Ao lado esquerdo você encontra os favoritos. A Dica é arrastar ‘pastas’ para o favoritos e não arquivos…
bridge-cs4-filter-ratings
… mas caso queira definir quais os arquivos você prefere; use as estrelas. Assim você pode usar esse recurso ‘filter’ para exibir somente os arquivos 3 estrelas (ou mais), por exemplo.

Terceira

Drag and Drop.
Esse é talvez o melhor recurso do Bridge. Do que adiantaria achar facilmente seus arquivos se você tivesse que voltar para o software em que estava trabalhando (InDesign, Illustrator ou Photoshop) e ter que ir em File > Open ou File > Place e ter que procurar de novo o arquivo (e ainda usar o Finder ou Explorer para isso)! Que nada; Achou no Bridge? Arraste para a janela do programa… simples.

Quarta

Preview de Snippets ou arquivos nativos do InDesign.
Caso você use o InDesign para (quase) tudo; assim como eu! Esse recurso é fantástico.
Por não ser um arquivo muito comum, os sistemas operacionais não processam esses arquivos gerando thumbnails. Mas o Bridge sim, portanto você navega pelo Bridge e visualiza os thumbs antes de abri-los, sabendo previamente do que se trata.
temp_tela
Olhe essa tela com os thumbs (miniaturas) dos arquivos do InDesign (indd) sem abrir o arquivo eu consigo visualizar do que se trata. Clique para ampliar.

Quinta

Batch multiplos arquivos.
Existem alguns recursos que realmente salva tempo. Como renomear arquivos de diversas formas; como por exemplo, numeros na ordem crescente…
Há também o recurso ‘Image Processor‘ do Photoshop que você gera arquivos Tifs, Psd ou Jpgs automaticamente e ainda aplica algum ‘action‘ do photoshop…Imagina aplicar um action como um efeito de instagram em uma pasta com centenas de fotos? Com o Bridge isso se torna facil, facil.
00002
Para ter acesso à esse recurso, basta ir no menu superior Tools > Photoshop > Image Processor…
image-processor-2
Essa janela se abre com opções de 1. Quais arquivos – 2. Em qual pasta você quer salvá-los – 3. Em qual formato e 4. Aplicando algum action do Photoshop (Run Action)

Sexta

Navegar com o path bar. Fazer uso do path bar é fácil, basta clicar na seta a direita e ela abre as sub-pastas para vc selecionar… ao clicar ele abre novamente o novo sub-nível… e assim por diante até você chegar à pasta destino. É mais rápido que o duplo clique, procura, duplo clique…

Sétima

Output e export.
Sim dá para publicar direto para o Facebook, Flickr… ou ainda salvar em um HD ou photoshop.com. Mas que tal enviar para a sua equipe uma previa de um ensaio fotografico? O Bridge também gera um PDf com thumbs dos arquivos para compartilhar com a equipe – tudo na aba ‘Output‘.
Havia um contact sheet onde você podia criar uma lista de pessoas e emails para envio, mas esse recurso foi descontinuado e confesso para vocês, não sei porque! Sempre me pareceu uma ótima idéia.
Picture-6-742107
Essa aba (Output) também é util para gerar miniaturas de diversos arquivos em um único painel PDF. Arquivo de tamanho reduzido com várias thumbs para compartilhar com sua equipe de produção ou criação.

Oitava

Achar arquivos rapidamente com a pesquisa.
Esse é o objetivo maior do Bridge e se você usá-lo com as dicas acima, acredite, você vai encontrar seus arquivos mais rápido.
Use o campo pesquisa, classifique por tipo, use os filtros para visualizar somente os arquivos três estrelas… e por aí vai. O campo de pesquisa é muito bom e ignora Caps e procura por pedaços de palavras; E ainda respeita a hierarquia de arquivos – pesquise somente de uma pasta para frente.

Nona

Uso de metadatas e palavras-chave.
Grande parte do poder do Bridge está no metadata. Existem campos que são gerados automaticamente, mas existem outros editáveis como autor e muitos outros.
Use, mas não abuse; não edite os campos você sabe que não vai usar; a regra aqui é ganhar tempo e não se tornar burocrático. As palavras-chaves também são úteis pois podem ser usados, automaticamente, nos filtros.

Décima e útlima

Salvar as pesquisas e criar coletâneas.
Na verdade coletâneas é uma forma de salvar pesquisas. Basta ir na aba ‘collections‘ e criar uma.
Ao navegar pelas fotos e arquivos, você vai arrastando para essa coletânea. Perceba que ele não move ou copia os arquivos, assim ele não modifica o local das mesmas. Ele serve para criar grupos com conteúdo de seu interesse e de diversas partes do computador.
Você pode criar uma coletânea e depois criar um preview com o output, por exemplo – rápido, fácil e sem mexer na organização dos arquivos do seu computador.
collection
Essa aba ‘collections’ cria uma coletânea, ou seja, atalhos para diversos arquivos em diversos locais diferentes… Nesse caso uma coletânea de ‘texturas’ com 8 arquivos selecionados.

Por experiencia propria, eu posso dizer que essas dicas são válidas e ajudam mesmo. Caso você se sinta estranho usando o Bridge no começo; a minha dica é: insista! Você pode estranhar no começo e até se ver voltando para o Finder ou o Explorer mas com o uso constante a sua produtividade vai melhorar.
Espero tê-los ajudado, pois o nosso objetivo não é simplesmente achar as coisas mais rápido; e sim sermos mais eficientes.
PS.: Dica de última hora: Evite o mini-bridge do InDesign… eu acho ele terrível e não vejo serventia nenhuma!!
Fonte: http://www.des1gnon.com/
← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial