terça-feira, 26 de agosto de 2014

3 ERROS QUE PODEM DESTRUIR SUA CARREIRA COMO DESIGNER FREELANCER (E COMO EVITÁ-LOS)

Trabalhar a hora que quiser, não ter chefe e poder tirar férias em qualquer época do ano são apenas algumas das vantagens de ser um profissional freelancer. Os motivos para seguir uma carreira profissional independente não são poucos, porém, não é tão simples se manter neste caminho sem determinação, profissionalismo e muito trabalho.

Durante muito tempo eu me perguntei se valeria a pena abandonar o meu emprego e começar a trabalhar por conta própria, apesar de não ter saído (ainda) do trabalho assalariado, consegui criar uma rede de clientes que me garantem uma boa renda como designer freelancer.
Aliás, conquistar e manter bons clientes é uma das principais tarefas deste tipo de profissional e não costuma ser nada fácil. É preciso planejamento e estratégia, desenvolver um bom relacionamento e caprichar no seu marketing pessoal e no atendimento, se você quiser que seus clientes sejam fiéis e confiem no seu trabalho.
Confiança é a palavra chave! Se o seu cliente não confia em você, você dificilmente o verá de volta depois do primeiro trabalho. Veja algumas das vantagens em conquistar a confiança de seus clientes:
  • Eles sempre voltam para fazer novos projetos
  • Eles te recomendam para outros clientes
  • Te pagam melhor e na data certa
  • São mais abertos à sua opinião e confiam na sua experiência (o que facilita, e muito, o seu trabalho!)
Construir uma rede de relacionamento saudável e de confiança com seus clientes lhe garante muitos projetos e consequentemente muito lucro, alavancando a sua carreira em uma projeção praticamente vertical.
Embora a receita para o sucesso seja tecnicamente simples, existem muitos erros que, quando cometidos, jogam por água abaixo todo o seu trabalho e credibilidade. Mesmo os profissionais mais experientes cometem erros, e hoje eu quero te mostrar quais são os 3 piores erros que você pode cometer como designer freelancer e como evitá-los, adotando estratégias para contornar os problemas e não perder o seu precioso cliente.

Primeiro Erro: Atendimento de péssima qualidade

Descaso no atendimento ©Shutterstock
Descaso no atendimento ©Shutterstock
A primeira impressão é a que fica! Você já ouviu isso inúmeras vezes, e é uma afirmação extremamente verdadeira. Se você quer conquistar o seu cliente, a primeira coisa que você precisa ter é um atendimento show. Isso não quer dizer que você tem que atender o seu cliente todo engomadinho e falar como um atendente de telemarketing. Quer dizer que você tem que dar um show de simpatia, ter presença e exalar confiança.
Veja alguns conceitos fundamentais para um bom atendimento.

Entenda o seu cliente

Você precisa saber exatamente o que o seu cliente precisa. Será impossível desenvolver o seu projeto se você não conhece os reais motivos que o levaram até o seu escritório. Pergunte, observe, interaja com ele a fim de tirar todas as dúvidas e garantir que o job atinja o objetivo esperado pelo seu cliente.

Tenha prazer em servi-lo

Se você é do tipo que coloca o telefone no silencioso quando vê um cliente ligando por que não quer atendê-lo, você tem grandes chances de fracassar como designer freelancer. Atender é servir, e você precisa ter prazer em fazer isso. Esteja sempre disposto a aceitar os desafios impostos pelos seus clientes e resolva-os sem rodeios.

Seja simpático, não antipático

Ter simpatia é peça fundamental para o seu marketing pessoal e principalmente para um bom atendimento. Coloque-se no lugar o seu cliente a fim de entendê-lo, você precisa conhecê-lo e deixar que ele te conheça. Sorria e converse como se fossem bons amigos, mas não exagere, basta relaxar e fazer com que ele também relaxe.

Mantenha comunicação segura, clara, objetiva e transparente (Comunicação S.C.O.T)

As informações trocadas no atendimento devem ser precisas, claras e objetivas. Se você é do tipo que adora mostrar o que sabe falando coisas difíceis, usando uma infinidade de termos técnicos que o seu cliente nem conhece, está caminhando rumo ao fracasso. É fundamental ter transparência, se você não é capaz de resolver o problema, diga a ele, se não tem uma resposta, peça um tempo para que retorne depois com informações mais detalhadas.

Não abandone o cliente

O atendimento não acontece apenas quando o seu cliente está no seu escritório. Durante o processo de desenvolvimento de um projeto é fundamental manter o seu cliente informado. Mande emails descrevendo em que etapa o projeto se encontra, telefone para dizer que já atingiu os primeiros resultados.

Fale a língua do bom atendimento

Este principio está diretamente ligado ao anterior. A comunicação deve empregar uma linguagem adequada ao cliente, evite gírias, palavras difíceis. Não trate o seu cliente por diminutivos e mantenha um tom de voz sóbrio.
Atendimento show ©Shutterstock
Atendimento show ©Shutterstock
A comunicação não acontece apenas com as palavras, sua linguagem corporal também deve falar bem de você, tenha postura, sente-se corretamente e movimente-se enquanto estiver falando para quebrar o gelo e deixar o seu cliente mais à vontade.
Estes conceitos surtem efeito instantaneamente e garantem um passo em direção ao fechamento de mais um projeto, este atendimento dará ao seu cliente a confiança inicial e abrirá as portas para uma negociação mais vantajosa agregando valor ao seu trabalho.

Segundo Erro: Não cumprir prazos

De olho no prazo ©Shutterstock
De olho no prazo ©Shutterstock
Sem dúvidas cumprir prazos e entregar seus projetos na data combinada é algo que seus clientes admiram muito. Quando você não cumpre com os prazos acordados, está causando um prejuízo imenso não só ao seu cliente, mas também para a sua carreira como designer freelancer.
Quando você não entrega o projeto na data certa, está dizendo ao seu cliente:
  • Você não é nada organizado
  • O projeto do cliente não é importante
  • Você não é um profissional competente
Além disso você cria uma série de situações totalmente desfavoráveis que vão tornar o seu relacionamento com este cliente caótico, estressante e improdutivo. Atrasar na entrega também é um dos principais motivos pelo qual ele não lhe recomendaria para novos clientes.
O prazo de entrega do projeto depende principalmente do atendimento, você se lembra de um dos princípios fundamentais para o bom atendimento?
Entenda o seu cliente – Você precisa saber exatamente o que o seu cliente precisa. Será impossível desenvolver o seu projeto se você não conhece os reais motivos que o levaram até o seu escritório. Pergunte, observe, interaja com ele a fim de tirar todas as dúvidas e garantir que o job atinja o objetivo esperado pelo seu cliente.
Planejar cada etapa do projeto através do briefing e planejar bem como tudo será executado é fundamental para que você não tenha este tipo de problema. Eu sei que cumprir todos os prazos é impossível, mas você pode evitar os atrasos ao máximo.

Tudo começa… no começo!

Quando você está na sala de reunião definindo os detalhes do projeto com o seu cliente, ele lança a questão: “Quando vai me entregar este projeto?“. Você pensa alguns minutos e dá um prazo que provavelmente não será suficiente para o tipo de projeto.
Minha dica é que você não defina prazos sem avaliar muito bem todos os detalhes do trabalho. Diga ao seu cliente que você irá estudar cada ponto do projeto e que retornará depois com um email ou uma ligação dando um prazo exato e bem definido.
Quando você demonstra para o seu cliente que está preocupado com o prazo, ele entenderá que você é um profissional que se dedica em cumpri-los. Mas não falhe com o que prometeu, ligue para o cliente no mesmo dia, ou se o atendimento ocorrer à tarde, ligue no dia seguinte bem cedo e repasse as informações do prazo.

Um conceito que se repete

Manter o seu cliente informado durante o processo de desenvolvimento do projeto o ajudará a tratar questões de prazo de forma mais eficiente. Se o seu cliente souber em que ponto você está, saberá pelo menos que está trabalhando no projeto dele. Isto não te faz lembrar de mais um principio do bom atendimento?
Não abandone o cliente – O atendimento não acontece apenas quando o seu cliente está no seu escritório. Durante o processo de desenvolvimento de um projeto é fundamental manter o seu cliente informado. Mande emails descrevendo em que etapa o projeto se encontra, telefone para dizer que já atingiu os primeiros resultados.

O projeto está atrasado, e agora?

Mesmo que você se esforce em cumprir todos os seus prazos, há contratempos que estão fora do seu controle e que podem fazer com que seus projetos atrasem. Problemas pessoais, doenças, viagens de última hora são alguns exemplos de contratempos que podem interferir no decorrer do seu trabalho.
Job atrasado ©Shutterstock
Job atrasado ©Shutterstock
Ser honesto com o seu cliente e informar a situação é o ideal. Mas note que este hábito deve ser exceção. Não dizer nada ao cliente também não é uma boa ideia, ele ficará mais estressado e achará que você não está dando a atenção merecida ao seu projeto.
Em boa parte dos casos os contratempos não comprometem o prazo de entrega do job. Você deve analisar a situação e verificar se pode contorná-la dedicando algumas horas a mais do dia no projeto. Como designer freelancer você deve se acostumar a dormir um pouco mais tarde para cumprir com seus compromissos.
Se for impossível recuperar o tempo perdido e você não tiver outra saída, seja sincero, entre em contato com o seu cliente, defina um novo prazo e cumpra-o.

Quais os principais erros ao definir prazos?

Além do que já discutimos até agora sobre atrasos, existem alguns fatores que contribuem para o não cumprimento dos prazos. Veja a seguir:
Medo de perder o cliente: Você tem medo de ouvir um “NÃO” se der um prazo muito grande e perder o cliente para a concorrência. Dar um prazo justo e cumpri-lo é muito melhor que arriscar e não entregar o trabalho. Além de você trabalhar de maneira inadequada, perderá credibilidade e manchará a sua imagem no mercado. O cliente que recebe prazo de 30 dias e recebe o trabalho na data certa fica muito mais satisfeito do que o que recebe prazo de 15 dias mas só tem o projeto no 20º.
Não conhecer o próprio ritmo: É muito comum novos designers freelancers não fazerem a mínima ideia de quanto tempo leva para entregar um projeto. Nestas situações avalie muito bem o trabalho e sempre dê um prazo maior do que o que acha necessário. Pelo menos até você ganhar experiência e conhecer melhor o seu ritmo de trabalho.
Falta de humildade: Não pense que você é um super designer e pode bater prazos recordes, e entregar o trabalho para o seu cliente antes de qualquer outro ser vivente na terra. Seja humilde e defina prazos justos, deixando sempre um tempinho extra para possíveis contratempos.
Moeda de troca: Há aqueles profissionais que não fazem um bom trabalho e usam prazos extramente curtos como moeda de troca com os clientes mais apressados. Se você está neste barco, pule fora antes que ele afunde. Invista mais tempo e dê prazos maiores para aumentar a qualidade do seu trabalho. É bom para o seu cliente, é bom para a sua carreira.

Entregar no prazo é bom. Entregar antes é melhor!

Entregar seus projetos no prazo garante a satisfação dos seus clientes e aumenta a sua credibilidade. Pode acontecer de você ir tão bem em um projeto que ele acaba ficando pronto antes do prazo combinado. Isso é bom, pois o seu cliente ficará ainda mais satisfeito com o seu trabalho e com certeza dará mais pontos para você em suas indicações.
Por outro lado, é importante dedicar um pouquinho desse tempo extra para revisar o job antes de entregá-lo. Você pode aumentar a qualidade do acabamento, revisar textos, ver se aplicou a paleta de cores corretamente.
Entregar o job antes e não receber um pedido de alteração é praticamente um orgasmo na vida do designer freelancer. :D

Terceiro Erro: Manter-se na Zona de Conforto – Não investir em novo conhecimento

Zona de conforto ©Shutterstock
Zona de conforto ©Shutterstock
Nenhum outro recurso ou investimento pode trazer retornos exponenciais de maneira tão óbvia – José Claudio Terra
Existe um lugar onde muitos profissionais adoram ficar, mas que não deveriam chegar perto nem em seus sonhos, a Zona de Conforto. Você encontra a zona de conforto quando tem bons clientes, ganha bem com seus projetos e não tem motivo algum para esboçar qualquer esforço de mudança, por mais insignificante que ele possa ser, comparado ao seu tempo livre.
O terceiro erro é o pior de todos, pois é aquele que destrói o seu futuro, que corroe a sua carreira aos poucos e dificilmente é notado. É como uma doença silenciosa que vai consumindo o seu corpo, até que quando você perceba seja tarde demais para alcançar a cura.

Quais são os principais sintomas de quem está na zona de conforto?

Na psicologia, a zona de conforto é uma série de ações, pensamentos e/ou comportamentos que uma pessoa está acostumada a ter e que não causam nenhum tipo de medo, ansiedade ou risco. Nessa condição a pessoa realiza um determinado número de comportamentos que lhe dá um desempenho constante, porém limitado e com uma sensação de segurança. Segundo essa teoria, porém, um indivíduo necessita saber operar fora de sua zona de conforto para realizar avanços em seu desempenho – por exemplo no trabalho – eventualmente chegando a uma segunda zona de conforto. –Wikipedia
Uma pessoa que encontra-se na zona de conforto dificilmente consegue realizar atividades que sejam diferentes das habituais. Você cria uma espécie de rotina que te faz sentir seguro, mas que prejudica profundamente a sua carreira.
A fronteira da zona de conforto representa uma barreira psicológica que nos impede de encarar desafios e melhorar a nossa qualidade de vida. É como se houvesse uma voz falando aos nossos ouvidos: “É arriscado demais.. Você não é capaz.. É difícil.. Isso não é pra você..”.
A zona de conforto pode ser sedutora, irresistível, “familiar” e desastrosa. Pode ser definida como a nossa tendência a fazer o que é fácil, cômodo e conhecido, sem intenção de interromper ciclos viciosos e improdutivos ou de começar algo novo ou desafiador, que demande autodisciplina, motivação e comprometimento e que cause dispêndio extra de energia e nos tire da inércia.
As causas mais frequentes que nos fazem ficar na zona de conforto são:
  • Preguiça: Quando o indivíduo sente cansaço, falta de energia, apatia, desinteresse, depressão, ansiedade, culpa, desmotivação ou tudo ao mesmo tempo…
  • Soberba: Quando ele não sente necessidade de aprender nada ou de aprimorar-se, por achar-se pronto, “brilhante” e perfeito (“síndrome do copo cheio”).
  • Medo: Quando tem receio de enfrentar os próprios medos: medo do desconhecido, dos riscos, das incertezas, do que pode acontecer, de perder controle ou do que os outros possam pensar.
  • Miopia: Quando não se têm claros os impactos e as consequências de algumas atitudes e comportamentos em nossas vidas, no médio e longo prazos.
O comportamento de quem está na Zona de conforto do conhecimento inclui:
  • Acreditar que já sabe tudo o que precisa para ganhar dinheiro o resto da vida
  • Não ter interesse em aprender novas técnicas de trabalho
  • Achar que nunca vai ficar sem clientes ou sem trabalho
  • Não cria metas para atingir objetivos mais difíceis e mais gratificantes em sua carreira

Como sair da zona de conforto e investir em conhecimento?

O primeiro passo para sair da zona de conforto: avaliar a sua carreira.
Você está satisfeito? Há espaço para melhorias? Vem à sua mente alguma coisa que você não faz, mas gostaria de fazer?
Identificados quais comportamentos o incomodam e o que você gostaria de realizar na sua carreira, o próximo passo é agir. Existe um mundo cheio de possibilidades além do que você conhece. Saindo da zona de conforto, você experimentará um sentimento de realização que vai aumentar sua confiança e vai lhe permitir usar todo o seu potencial para alcançar o sucesso.
Sair da zona de conforto nos permite realizar coisas incríveis. É possível estar completamente satisfeito com o trabalho, com a saúde, com a companhia, com os amigos, enfim, com toda a sua vida. Uma das maneiras mais eficientes de sair desta zona em sua carreira profissional é investir em novo conhecimento.
Renovando o conhecimento ©Shutterstock
Renovando o conhecimento ©Shutterstock
Profissionais de sucesso investem constantemente em conhecimento, é o melhor investimento que pode ser feito em sua carreira freelancer. Principalmente hoje em dia, quando as coisas mudam de uma hora pra outra e tudo parece evoluir de maneira surpreendentemente rápida.
Conhecimento é uma coisa abstrata, difícil de definir mas que quando estamos em sua presença o reconhecemos com grande facilidade. Em seus estágios mais simples, ele pode ser medido por meio de testes e provas. Já em seus estágios mais avançados pode ser apenas observado, referendado ou mesmo admirado.

Como investir em conhecimento?

Uma das maneiras mais simples de investir em conhecimento é participar sempre que possível de feiras, palestras, workshops e cursos. Assim você se manterá informado sobre tudo o que está acontecendo ao seu redor e no meio profissional.
Veja alguns bons motivos para investir constantemente em conhecimento:
  • Você sempre estará atualizado sobre o que acontece na sua área de atuação
  • Pode atender seus clientes com muito mais eficiência e praticidade
  • Pode oferecer soluções mais sofisticadas para problemas atuais
  • Estará sempre um passo à frente da concorrência, ganhando credibilidade e a preferência do mercado
Anualmente, em meu estado, acontecem dezenas de seminários e workshops que reúnem diferentes profissionais das mais diversas áreas criativas. É muito difícil eu participar de todas elas pois moro bem longe da capital, onde acontecem. Mas listo os eventos mais importantes e que sei que agregarão mais valor ao meu conhecimento e faço o possível para participar.
Além de ter contato com novas tendências, técnicas, recursos, este tipo de evento é excelente para fazer novas amizades e parceiros de negócios.

Expandindo novos horizontes

Se você é formado, talvez seja uma boa hora para pensar em fazer uma especialização, uma pós-graduação. Adicionar ao conhecimento que você já tem novas áreas e perspectivas.
Caso você ainda seja um estudante, melhor ainda, dá pra se inscrever em cursos profissionalizantes, treinamentos técnicos e feiras. Isso também vale para os formados.
No meio criativo é muito comum se perder em meio a tantas opções de carreira disponíveis, você pode escolher ser um designer gráfico, de produto, de embalagens, um produtor gráfico, diretor de arte, designer de jogos, animador, fotógrafo… Mas nada disso te impede de pescar um pouco de conhecimento em cada uma destas áreas.
Suponha que você seja um designer gráfico, e que você tem um tempinho livre nos seus finais de semana que permitem fazer um cursinho de curta duração. Uma boa escolha seria um curso deprodução gráfica, onde você aprenderia o fundamental para criar projetos otimizados para impressão, entenderia sobre o processo gráfico, os equipamentos, as vantagens e limitações dos produtos impressos, isto lhe abriria novos horizontes e você poderia oferecer serviços ainda melhores para seus clientes.
Se você tiver interesse em aprender sobre isso, pode ler a série Produção Gráfica, publicada semanalmente aqui no Clube o Design.
Este é apenas um singelo exemplo do que você pode fazer para investir em mais conhecimento. Você nem precisa fazer algo que esteja diretamente ligado à sua profissão. Tudo o que for feito para melhorar o seu desempenho profissional é válido, quer ver?
Digamos que você tenha problemas sérios de comunicação, e gostaria de melhorar isso. Fazer um curso de oratória lhe ajudaria muito. Teatro é outra excelente opção para fazer você se soltar e ter uma comunicação  mais efetiva. Se o seu problema é nos textos, um cursinho rápido de redação viria a calhar.
O problema de muitos profissionais é acreditar que só precisam estudar aquilo que parece interessante à sua área de atuação. Se esquecem que além de prática no que fazem, precisam somar um conjunto de outros fatores que fazem deles profissionais mais completos.
Dentre a atitude essencial que é investir em novo conhecimento, há também algumas estratégias que te permitem sair de qualquer outra espécie de zona de conforto que esteja assolando a sua vida. Veja abaixo alguns truques que podem te fazer sair da zona de conforto, seja ela qual for.

8 truques para sair da sua zona de conforto

Perceba que cada um desses truques traz novidade e mudança para a sua vida.

1. Faça alguma coisa que você nunca fez antes

Aprenda a tocar um instrumento musical, aprenda um novo idioma, escreva um blog, faça parte de alguma comunidade que lhe interessa, escreva um livro, pratique alguma atividade física. Tente algo novo por, pelo menos, um mês. Você pode realizar a atividade sozinho, com a família, com a namorada ou com os amigos.

2. Por uma semana, esqueça a TV e as redes sociais (Facebook, Twitter e Google+)

Use o tempo extra para passear, aprender algo novo, praticar um exercício, ler um livro, colocar um projeto em ação, encontrar com um amigo que não vê há muito tempo ou fazer algo que você sabe que precisa ser feito e só fica adiando.

3. Desenvolva a sua capacidade de iniciativa e proponha uma nova ideia

Seja no trabalho, na faculdade ou entre amigos, sugira a ideia que você tem em mente há algum tempo, mas não tem coragem de propor por medo de a ideia ser rejeitada ou, simplesmente, por medo da mudança.

4. Dê a sua opinião

Se você não tem o costume de dar a sua opinião, desafie-se a falar. Durante uma reunião de trabalho, na aula da faculdade ou na mesa do bar. Faça uma pergunta pertinente, comente o assunto e dê a sua opinião. Se você é muito tímido, comece aos poucos.

5. Saia da sua rotina até mesmo nos detalhes

Baixe novas músicas para o seu celular, iPod ou MP3 player e faça um caminho diferente para o trabalho ou faculdade. Durante o caminho, observe as pessoas e a paisagem. Pense em alguma coisa que você pode fazer durante o dia para estar fora da sua zona de conforto: uma sobremesa, em elogio, um telefonema…

6. Conheça ambientes que você não tem o costume de frequentar

Experimente frequentar uma aula de dança, um curso de culinária, teatro, música. Você pode se surpreender com os resultados de uma nova aprendizagem.

7. Viaje!

Viajando por ai ©Shutterstock
Viajando por ai ©Shutterstock
Não importa quanta grana você tem. Viaje para a cidade vizinha ou pelo mundo inteiro. Viajar é uma das melhores maneiras de sair da sua zona de conforto. Você conhecerá novas pessoas, novos hábitos, outras culturas, novos alimentos. Viajar, certamente, deixará sua criatividade mais aguçada.

8. Conheça novas pessoas

Experimente conversar com um colega de trabalho ou de faculdade com quem você nunca conversou. Comente alguma ideia e tenha interesse em conhecer o outro. Você também pode fazer isso com o atendente de uma loja, um mendigo, o motorista do taxi, a pessoa que sentou ao seu lado no ônibus… Você logo perceberá que pode aprender um pouco com cada pessoa com quem você se relaciona.
Com estas dicas você tem tudo o que precisa para sair de sua zona de conforto e tomar uma atitude em prol de sua carreira profissional. Se você já pratica alguma ação que não foi mencionada aqui, compartilhe com a gente nos comentários.

Recapitulando

Neste artigo você conheceu os 3 erros que podem destruir sua carreira como designer freelancer, a saber:
No Primeiro Erro você entendeu que o atendimento é a chave para evitar qualquer tipo de problema no desenvolvimento dos seus projetos e principalmente no relacionamento com seu cliente. Conheceu os princípios do bom atendimento, sendo eles:
No Segundo Erro pudemos perceber o quanto cumprir prazos é importante em nossa profissão. Nossos clientes esperam receber seus projetos sempre na data combinada, mesmo que seja um prazo mais longo, falhar na entrega é que é o problema. Te mostrei as causas mais comuns para o atraso e problemas no cumprimento de prazos:
  • Medo de perder o cliente
  • Não conhecer o próprio ritmo
  • Falta de humildade
  • Moeda de troca
Já no Terceiro Erro percebemos o quanto estamos a mercê de nosso próprio interesse, e como ele pode se transformar em uma zona de conforto que vai nos impedir de crescer profissionalmente. Te mostrei quais as principais causas que levam alguém a entrar em uma zona de conforto:
  • Preguiça: Quando o indivíduo sente cansaço, falta de energia, apatia, desinteresse, depressão, ansiedade, culpa, desmotivação ou tudo ao mesmo tempo…
  • Soberba: Quando ele não sente necessidade de aprender nada ou de aprimorar-se, por achar-se pronto, “brilhante” e perfeito (“síndrome do copo cheio”).
  • Medo: Quando tem receio de enfrentar os próprios medos: medo do desconhecido, dos riscos, das incertezas, do que pode acontecer, de perder controle ou do que os outros possam pensar.
  • Miopia: Quando não se têm claros os impactos e as consequências de algumas atitudes e comportamentos em nossas vidas, no médio e longo prazos.
Te mostrei também como evitar e sair da zona de conforto, investindo em conhecimento e fazendo atividades fora do comum, evitando a rotina e se libertando do tédio e da preguiça. Você conheceu 8 truques para sair da zona de conforto, sendo eles:
  1. Faça alguma coisa que você nunca fez antes
  2. Por uma semana, esqueça a TV e as redes sociais (Facebook, Twitter e Google+)
  3. Desenvolva a sua capacidade de iniciativa e proponha uma nova ideia
  4. Dê a sua opinião
  5. Saia da sua rotina até mesmo nos detalhes
  6. Conheça ambientes que você não tem o costume de frequentar
  7. Viaje!
  8. Conheça novas pessoas

Concluindo

Chegamos ao fim de um grande post que te mostrou dicas importantes para se manter e ter sucesso em sua carreira como designer freelancer. Se você chegou até aqui, pode ter certeza de que você é uma das pessoas que vão se destacar no mercado,  que investirão em conhecimento constantemente, garantindo uma subida vertical em sua carreira.
Além do mais, se você chegou até aqui, é por que percebeu a riqueza deste conteúdo, fruto de muita pesquisa e horas de trabalho para deixá-lo de um jeito fácil de entender, e com uma mensagem concreta à transmitir. Espero que você tenha gostado da viagem, e que estas dicas possam ser úteis no decorrer de toda a sua carreira.
Se você tem dicas ou uma opinião que gostaria de compartilhar comigo e os demais leitores, por gentileza, use o formulário de contato abaixo e vamos conversar! Vamos criar uma rede de relacionamento onde profissionais e estudantes do brasil e de outros países possam se conhecer e trocar experiências. Se mecha! Não fique parado em uma zona de conforto! Comente e me deixe saber o que você pensa!
Não se esqueça de assinar também a newsletter do blog, digitando o seu email na caixinha alí ao lado.
Nos vemos no próximo post, com muito mais dicas para te ajudar em sua carreira como designer freelancer. Até a próxima!
Fonte: http://clubedodesign.com/
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário