Start up! Artes Gráficas

Trabalhos feitos por profissionais com + de 10 anos de experiência em artes gráficas!

Principais sites de Notícia do Brasil

Rio Grande do Sul e Vale do Taquari (Lajeado e região)

Canva

O software online que veio para ficar!

Cores

Curiosidades sobre cores

Design Freelancer

Quais as etapas da venda de um projeto

Monitores

Qual o melhor monitor para designer gráfico?

E quando não existia Photoshop?

Veja como eram editadas as fotos

Designer x Arte finalista

Diferença entre Arte finalista e Designer

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

O que o consumidor espera da sua empresa nas redes sociais?

Ter uma conta no Facebook ou no Twitter não significa que sua empresa esteja engajada na rede. Veja estas dicas para sua marca se sair bem com o público.
Não é de hoje que a gente sabe que a internet mudou a história do mercado. Mas podemos classificar alguns subperíodos igualmente revolucionários dentro da era digital. Por exemplo, antes e depois do email, antes e depois do Google, antes e depois do ecommerce e antes e depois das redes sociais. Sobre esta última era que vamos pensar a respeito.
Só resumindo, a popularização de redes sociais poderosas como o Twitter, Facebook e o já demodê Orkut, permitiu uma interação direta entre consumidores e marcas, dando poder de opinião e influência, através de um canal de comunicação horizontal. Com isso, as empresas passaram a se preocupar mais com o feedback do público nos canais de diálogo aberto.
Pois bem, o problema disso tudo é que Facebook e Twitter viraram tendência. Os nomes da moda caíram na boca dos empresários, que passaram a achar que os botões azuis com o F e com o passarinho funcionam como selo de qualidade. Algo como “olha que legal, eu tenho Facebook e Twitter, sou moderno, antenado e falo com o consumidor”.
Mas a questão é a seguinte:  de nada adianta ter uma ferramenta poderosa nas mãos e não saber usar, ou usar de forma errada.
Por isso, este post contém um pouco da visão do consumidor, mostrando o que ele espera de uma marca quando ela avisa que está nas redes sociais.

1. Periodicidade x Flood

Criar uma conta no Twitter ou no Facebook e acessar uma vez por mês só para dizer “bom dia” não é nada legal. O volume de dados que circulam nas redes é imenso, e nelas, 1 minuto é uma eternidade. Ninguém perde 1 minuto lendo tweets. Os links e imagens aparecem na timeline e somem em questão de segundos. Por isso, você precisa ser constante.
Mas… Gerar conteúdo constante é diferente de gerar floodFloodar a timeline dos seus usuários é falar tanta coisa ao mesmo tempo que sua conta vira um spammer. O usuário não aguenta mais e deixa de te seguir, sem medo de ser feliz.
Periodicidade é gerar conteúdo relevante de forma constante e equilibrada, dando a certeza ao usuário que te acompanha que vale a pena ele fazer isso.
densidade de link twitter
Gráfica: cliques x tempo de vida do link sobre o terremoto na Virgínia no The Washington Post.
O encurtador de links bit.ly mediu a densidade dos links postados nas redes sociais e concluiu que a média de vida de um link no Twitter é de 2,8 horas. No Facebook, 3,2 horas. Via fontes diretas, como email, cerca de 3,4 horas (veja o post completo aqui).

2. Relevância x Quantidade

Ok, você leu o tópico acima e resolveu acessar as suas redes 3 vezes ao dia para desejar a todos um “bom dia”, “boa tarde”, “boa noite”. Repentinamente seus seguidores vão deixando de seguir sua conta. Aí você volta aqui no post e percebe que não reparou na frase que diz “Periodicidade é gerarconteúdo relevante de forma constante e equilibrada…”.
Gerar conteúdo relevante é informar o consumidor sobre assuntos do interesse dele. Por exemplo, se você vende sapatos, não adianta só encher sua timeline de fotos de sapatos novos e dizer o preço. Isso ele vê no seu site, certo? Não tenha medo de compartilhar conteúdo, afinal é disso que o novo cliente está sedento: de intimidade com a marca e credibilidade.
Quer um exemplo de como gerar conteúdo? Compartilhe links de artigos sobre tendências do verão 2013 e tire proveito disso para mostrar que o seu sapato vai ser hit de estação. Seus sapatos são de fabricação própria? Que lindo! Faça um vídeo legal mostrando como é a produção. Alguém reclamou do atendimento em uma das lojas? Todo mundo tem o direito de errar e de corrigir o erro. Tome as dores do seu cliente, desculpe-se publicamente com ele e dê uma prova de que isso não vai acontecer de novo. Convide-o para o coquetel de inauguração da coleção de verão (e, lógico, dê um jeito no atendimento da tal loja). Isso tudo é muito diferente de entrar no Twitter para dizer “bom dia”. Isso é crebidilidade.
O consumidor da era das redes sociais sabe muito bem que a sua empresa não é mais uma coisa, é uma pessoa (mesmo que usando a terceira pessoa para se comunicar).
Exemplo de post no blog da Farm, agradecendo aos seus fãs do Facebook de maneira informal.

3. Identidade

A forma com que sua empresa se comunica com os clientes precisa ser uma só, independente do meio utilizado. Ou seja, se a sua loja de sapatos é dirigida a mulheres adultas, você não vai tratar as seguidoras do Facebook como meninas de 13 anos. Pense que Branding é muito mais do que usar o logo na fachada e ter a mesma cor de parede em todas as filiais. Branding está também na linguagem. Tome cuidado para que o seu foco não desvie tanto a ponto do seu leitor não poder ser seu público. Mantenha a unidade na comunicação. Isso não quer dizer que você não possa ser informal.
Exemplo: você quer dizer que a nova coleção de sapatos com estampa animal print chegou. Seu público é de mulheres de aproximadamente 30 anos, classe A-B, ativas no mercado. Na revista, o seu anúncio diz “Animal Print 2012. Para mulheres que encaram a cidade com o espírito da selva”. Aí no Facebook você escreve “Hey girls, já viram as estampas animal print? Libere a tigresa que existe em vc! Iuhú! **/o/**”. Conta pra mim se isso vai dar certo.

4. Pessoal x Informal

Você já viu que a sua empresa não é uma coisa, mas é humana. Viu também que a comunicação é direta e pública, e precisa ser feita com periodicidade. Viu que o seu cliente espera conteúdo e informação, passados de um jeito adequado e informal. Aí você se empolgou e resolveu criar um perfil para a sua empresa no Facebook. E para poupar tempo de trabalho, vai colocar o nome da empresa no perfil e usar também como conta pessoal. É matar 2 coelhos com uma cajadada só, certo?
Errado.
Perfil é para pessoas, páginas para empresas.
Isso não só é uma requisição do próprio Facebook, como uma coisa muito lógica. Veja só:
  • No perfil, algumas informações são particulares e não podem (nem devem) ser vistas por todos.
  • No perfil, as pessoas precisam te adicionar como amigo. A página, o usuário pode curtir sem precisar ser aceito.
  • No perfil não dá pra ter abas com aplicativos e recursos interessantes que uma fanpage proporciona (clique aqui para ver mais recursos da nova fanpage).
E o principal:
Ao criar um perfil com o nome da sua empresa para compartilhar publicações pessoais, além de você ter de adicionar como amigo quem você nem conhece direito, vai obrigar este cara a ver suas atualizações pessoais, quando tudo o que ele realmente queria era conteúdo relevante.
Outro detalhe importante a se destacar é que, apesar da empresa ser vista sob um olhar mais humano, ela não é de fato “você”. Ou seja, na página da sua empresa, você não é a dona Maria, você é a Loja de sapatos da Dona Maria. Cuidado com as suas respostas, com o tratamento ao consumidor, com citações que possam agredir as pessoas. Independente se o consumidor está afim de arrumar polêmica, responda sempre com educação. Afinal, #hatersgonnahate (?).
haters gonna hate
Exemplo: mancada da Fiat no Formspring em 2010. Para responder as dúvidas dos clientes, a Fiat dava 2 tipos de resposta, uma mais convencional (marketing) e outra mais divertida (Happy Hour). Mas eles exageraram na resposta (e deram mole com a gramática também…)
fiat mancada

5. Adaptação

Métricas, retorno, comentários. A grande vantagem da rede social é que ela é um grande campo para pesquisas. Você pode saber a faixa etária da maioria dos seus seguidores, sexo, localização, frequência e muito mais. Então, faça disso um ponto a favor da sua empresa. Como assim? Você divulga a foto de um produto que todo mundo amou. Digamos que “as mina piraram” no scarpin animal print que você lançou. Aproveite os comentários positivos e pense em uma ação promocional. Por que não criar um sorteio para os seus seguidores? Ou um brinde exclusivo, um voucher de desconto?
Trate bem o seu seguidor, cuide dele, para que neste mundo volátil e instantâneo das redes sociais você não seja esquecido.
Outro exemplo: ok, o Cutedrop não é uma loja de sapatos, mas compartilhamos conteúdo. Não deixa de ser um serviço. E, ao perceber que grande parte do nosso público é composta de gente interessada em design, arte e ilustração, criamos a ação “Seu trabalho na nossa capa“. Assim integramos o interesse da galera com uma ferramenta do Facebook, mais a oportunidade dada ao pessoal para divulgar seus trabalhos.
Primeiro portfolio que estampou nossa imagem de capa, com nome do ilustrador e link.

Conclusão

Existem muito mais coisas para aprender e colocar em prática na internet. Este mundo ainda é muito recente para todos nós. Mesmo para você, que se tornou heavy user e convenceu a sua mãe a criar um perfil no Facebook ou seguir o Luciano Huck no Twitter. Saiba que ainda temos um oceno azul de estratégias para desbravar e o que conhecemos é ainda uma gota.
De qualquer forma, podemos começar a brincar. Boa sorte.
Fonte: http://www.cutedrop.com.br/

A história das cores contada pela Pantone

Celebrando a história das cores na moda e no design em 50 anos.
Você sabia que em 2013 a Pantone está completando 50 anos? Sã0 5 décadas de muitas cores para a alegria dos designers.

Para comemorar, eles criaram um infográfico super completo contando a história das cores na moda, no mundo das marcas e nas redes sociais.
Confira:
Paletas da moda separadas por décadas
Cor do ano, de 2000 a 2013
Cores mais citadas nas redes sociais
As cores nas marcas
Uma ótima referência para guardar.
O infográfico maior e completo está neste link.
Fonte: http://www.cutedrop.com.br/

O anel leitor de livros (sem ser em Braille) para deficientes visuais


Uma invenção do MIT que ajuda deficientes visuais e lerem livros. Mesmo os que não são escritos em Braille.
A gente sabe que o número de livros escritos em Braille para facilitar a vida de deficientes visuais é bem restrita.
Felizmente, graças aos leitores de tela, uma boa parte da solução vem em forma de computadores, gadgets e leitores digitais de tela. Mas e os velhos livros impressos, ficam como?
Pensando nisso, o pessoal do MIT Media Lab criou um anel que lê em voz alta o conteúdo textual dos livros, o Finger Reader.
O anel tem uma micro câmera instalada e ligada a um software, que reconhece as palavras e a posição do dedo com relação às frases. O scan é automático e a leitura em tempo real.
Veja como funciona:
fingerreader1
Para saber mais, acesse o site do projeto.
Fonte: http://www.cutedrop.com.br/

Como abrir uma mente e Ser Mais criativo?


Dicas e Novos methods Que ajudam a Fazer a mente funcionar e Ser Mais criativo.
A Palavra Criatividade se Vincula Ao Termo "CRIAR", fazer latim " creare ", Que significa" dar existencia, estabelecer Relações that ATÉ ENTÃO AINDA Não foram estabelecidas cabelo Universo do individuo. "Bom, em Otras Palavras a Criatividade PODE Ser Definida Como " O Processo de Produção de algo Que É originais e que Vale a pena. "Ou SEJA, Criatividade é tudo Sobre Encontrar Novas Formas de resolver Problemas e abordar Situações.
Mas eu, Como Profissional criativa, Posso confessar Que MUITAS vezes Já fiquei olhando Pará hum papel em branco horas por e nada surgia. Rápido Você PODE ATÉ Pensar Que Não É criativo, ma Criatividade ESTÁ em NÓS s , Faz Parte do Nosso Ser. O ideal de e sabre Como Explorar e Como Fazer aflorar when Mais precisamos.
Separei 8 Dicas e methods that julguei Serem bons Pará trabalhar Há uma mente.

01. Diferentes Fontes de Referência

A Inspiração ESTA em TODOS OS Lugares, ê ê Importante ter Diversas REFERÊNCIAS de Pesquisas . Busque a arte na fotografia, nsa filmes, NAS PESSOAS, na literatura, em Museus, galerias. Quanto Mais REFERÊNCIAS rápido você carregar, Maïs Ampla Sera parágrafo base de SUA CRIAR Novos Projetos.

02. Anote Tudo na Hora

Aquela boa Idéia costuma Chegar no momento em Que Você Não ESTÁ Preparado. Por ISSO Deixe sempre hum sketchbook POR Perto, e ENTÃO ANota UO desenhe Todas As Idéias (MESMO como malucas) Que estiver em SUA Cabeça. Varias vezes Aconteceu ISSO e eu pensei " vou Esquecer NÃO ESSA IDEIA, Impossível ", ENTÃO algo me distraia, or demorava Demais, eA Idéia ia embora! Anote that MESMO sem bloco de notas do celular.

03. Use Todos SEUS sentidos

Use de Todos os SEUS sentidos Pará mergulhar Profundamente em hum ASSUNTO.Digamos Que rápido Você Quer Aprender Sobre a Cidade Phuket na Tailândia. Rápido Você poderia Aprender hum pouco da Língua tailandesa, PROCURAR fotos fazer Tailândia em Livros e internet, Fazer Uma comida tradicional do país, Assistir a videos de SUAS festas Tradicionais, tentar Ouvir o rádio local da Cidade, hum enviar e-mail Pará Algum do hotel de La Para Obter INFORMAÇÕES privilegiadas Sobre Como A Cidade Realmente É. Ou SEJA, se Envolver o Máximo Possível com o Projeto.

04. Brinque Como Criança

Brincar Como Criança é Uma boa Estratégia Pará fazer novas Conexões. Se rápido Você Reparar em algumas Agências e Estudios de design, Voce vai Encontrar Brinquedosespalhados Para Ajudar na Criação. A brincadeira Estimula a Criatividade.


05. Aprenda algo novo

Torne-se hum iniciante. Aprenda a Fazer algo novo, Como malabarismo, escultura em madeira, arco e flecha. Abra Novas "abas" mente SUA em.

06. Dê Otras funcoes à Objetos Comuns

. Liste OSU inusitados e Diferentes Pará Objetos Domésticos Comuns não Seu dia-a-diaPor Exemplo: ? Quais como Maneiras Que rápido Você PODE USAR UM clipe de papel, um cabide, um copo, cachecol de Um ritmo de dez Minutos Para Fazer Uma Lista .Mas Não se preocupe se o SUAS Idéias São estúpidas ou Não, garanto Que Voce vai se surpreender.

07. Histórias CRIE COM 3 Palavras

Em hum Estudo Feito Por Um neurocientista Britânico Paul Howard-Jones, foi PEDIDO Às PESSOAS parágrafo CRIAR Histórias , com APENAS Três Palavras . Para hum grupo de Pessoas como Palavras Escolhidas se relacionam Entre si, Como " escovar ","DENTES "e" Brilho ". Outro grupo de Pessoas receberam Palavras Que NÃO se relacionavam, Como " vaca "," zip "e" estrela ". E adivinhe? Como PESSOAS Que receberam As Palavras Que NÃO se relacionavam inventava Histórias Mais Criativas!ENTAO FAÇA Associações remotas e Variadas. Uma Idéia E Pegar 3 LIVROS Diferentes , Todos abrir na page 50 e escolher uma Terceira Palavra de Cada page, de Cada Livro. Aí É Só CRIAR Uma historia que conte uma Conexão Entre como 3 Palavras!

08. Escreva 10 vezes a MESMA Questão de jeitos Diferentes

As vezes ficamos Presos na MESMA Questão, e NÃO conseguimos Encontrar uma Solução dela. Entao treine Seu Cérebro! Escreva . 10 Variações da MESMA QuestãoPor Exemplo, par a pergunta: " ? Como jogar xadrez ", rápido Você PODE Fazer Perguntas Como" Quais como Regras do xadrez? O Que Posso, e NÃO Posso Fazer Com Os Peões? OU Como vencer o Jogo? "Uma de SUAS Novas Perguntas provavelmente Será, hum Melhor do Que o inicial.

Essas São algumas Dicas pra exercitar o Cérebro , e TEM algumas Dicas Mais Curtas Que São:
• Mudar tentar uma Rotina; 
• Fazer hum Quadro COM REFERÊNCIAS DO PROJETO; 
• tentar Estilos Diferentes fazer Seu; 
• Fazer o Desenho à Mão Ao inves de Fazer Direto não Computador; 
• USAR materiais Diferentes fazer that rápido Você EUA normalmente. Ou Você Mesmo PODE Produzir Seu proprio material, tirando fotos fazer that Precisa.
Fonte: http://www.des1gnon.com/

Como criar uma textura jeans super real no Photoshop


TUTORIAL – Como Criar Uma Textura Jeans No Photoshop

Vamos começar nossa série de 4 passos:
Passo 1. Abra um Novo Documento em seu Photoshop. O tamanho será de acordo com o que você necessitará para sua textura, e a cor de Background deve ser Azul (#0072ff).
Fundo Azul
Ajuste também a cor primária e a cor plano de fundo para Azul e Preto:
Cor primária Azul - Background Preto
Passo 2. Agora vá até o menu Filtro > Galeria de Filtros… . Dentro da Galeria de Filtros, selecione a pasta Sketch (Croqui) e selecione o efeito Halftone Pattern (Matiz de Meio-Tom).
Galeria de Filtros
Altere as configurações para: Size (Tamanho) 1 – Contrast 10 – Pattern Type: Dot (Tipo de Padrão: Linha).
Halftone Pattern Configurações

Passo 3. Hora de aplicar o segundo filtro. Para isso vá novamente até o menu Filtro > Noise (Ruído) >Add Noise… (Adicionar Ruído).
Adicionar Ruído
Filtro Ruído Configurações
Após aplicar o filtro Ruído, sua imagem deve ficar da seguinte maneira:
Filtro Ruído Aplicado
Passo 4. Para finalizar a textura jeans, vamos aplicar uma tonalidade de cor mais próxima da real. Utilize a tecla de atalho Crtl + U para abrir a janela de Matiz/Saturação.
Feito isso, utilize os seguintes valores para alcançar a cor:
Configuração de Matiz e Saturação
Obs: antes de aplicar esses valores não esqueça de ativar a opção Colorir no canto inferior direito da janela de Matiz/Saturação.
Pronto! Rápido não?! De maneira muito simples temos a nossa textura jeans já criada no Photoshop.
Textura Jeans Criada
Agora use de sua criatividade para o uso da textura. Aqui vai um simples exemplo:
Textura Jeans no Photoshop
Espero que você tenha entendido e gostado do tutorial de Textura Jeans. Qualquer dúvida, sugestão basta enviar seu comentário logo abaixo.
Fonte: http://www.designerd.com.br/

11 lições de Bill Gates que vão te tornar uma pessoa melhor


O que você faria se Bill Gates visitasse a faculdade em que você estudou para dar uma palestra? Muita gente imaginaria que essa é uma oportunidade única para aprender sobre o mundo dos negócios com o dono de uma das maiores empresas do mundo. O que poucos esperavam é que esta também fosse uma chance de aprender algumas lições de vida.

Foi o que aconteceu em uma visita de Bill Gates à University of Southern California. O fundador da Microsoft chegou de helicóptero ao local, tirou um papel do bolso e leu tudo em apenas 5 minutos diante dos estudantes, mas foi aplaudido em pé por mais de 10 minutos.  O que ele disse pode servir de conselho para muita gente grande.

Confira as 11 lições que ele compartilhou com os estudantes naquele dia:

1. A vida não é fácil. Acostume-se com isso.

2. O mundo não está preocupado com a sua autoestima. O mundo espera que você faça alguma coisa de útil por ele antes de aceitá-lo.

3. Você não vai ganhar 20 mil dólares por mês assim que sair da faculdade. Você não será vice-presidente de uma grande empresa, com um carrão e um telefone à sua disposição, antes que você tenha conseguido comprar seu próprio carro e ter seu próprio telefone.

4. Se você acha que seu pai ou seu professor são rudes, espere até ter um chefe. Ele não terá pena de você.

gates2

5. Vender jornal velho ou trabalhar durante as férias não está abaixo da sua posição social. Seu avós tinham uma palavra diferente para isso. Eles chamavam isso de oportunidade.

6. Se você fracassar, não ache que a culpa é de seus pais. Não lamente seus erros, aprenda com eles.

7. Antes de você nascer seus pais não eram tão críticos como agora. Eles só ficaram assim por terem de pagar suas contas, lavar suas roupas e ouvir você dizer que eles são “ridículos”. Então, antes de tentar salvar o planeta para a próxima geração, querendo consertar os erros da geração dos seus pais, tente arrumar o seu próprio quarto.

8. Sua escola pode ter criado trabalhos em grupo para melhorar suas notas e eliminar a distinção entre vencedores e perdedores, mas a vida não é assim. Em algumas escolas você não repete mais de um ano e tem quantas chances precisar até acertar. Isto não se parece absolutamente nada com a vida real. Se pisar na bola está despedido… RUA! Faça certo da primeira vez.

gates1

9. A vida não é dividida em semestres. Você não terá sempre férias de verão e é pouco provável que outros empregados o ajudem a cumprir suas tarefas no fim de cada período.

10. Televisão não é vida real. Na vida real, as pessoas têm que deixar o barzinho ou a boate e ir trabalhar.

11. Seja legal com os CDF´s – aqueles estudantes que os demais julgam que são uns babacas. Existe uma grande probabilidade de você vir a trabalhar para um deles.

Fonte: http://www.hypeness.com.br/

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

9 lições sobre design que aprendemos com Chaves

O seriado Chaves é realmente um marco na vida de muitos. Mas talvez você ainda não tenha notado que podemos tirar lições da obra de Roberto Bolaños que nos ajudarão profissionalmente.
Confira abaixo nove lições sobre design que aprendemos com Chaves:

1) Uma boa apresentação faz toda diferença

10-licoes-sobre-design-chaves-apresentacao
Lembra-se do episódio da barraca de refrescos? A barraca do Chaves foi rapidamente ofuscada pela barraca do Quico: mais bonita, mais moderna, mais profissional.
No design, é preciso sempre focar na apresentação dos seus serviços. Por mais que a qualidade ainda seja a coisa mais importante, o cliente pode escolher justamente a apresentação – o site, o cartão de visitas, a identidade visual – como o fator decisivo de escolha entre você e seu concorrente.
Investir em um bom visual e impressionar o cliente pela apresentação é algo que agrega valor aos seus serviços.

2) Aproveite eventos para se autopromover

10-licoes-sobre-design-chaves-eventos
Nos episódios sobre o festival da boa vizinhança, cada personagem da vila aproveitou o evento para mostrar suas habilidades teatrais e musicais.
Como você, designer, encara os eventos da área? É claro que você não subirá ao palco para recitar “a volta do cão arrependido”, mas é importante encarar tais eventos como oportunidades de se autopromover e fazer networking com outros profissionais.

3) Tirar férias é essencial

10-licoes-sobre-design-chaves-ferias
Nos episódios em Acapulco, vemos os personagens de férias, em uma bela praia e um lindo hotel.
Todo profissional precisa de férias. Por mais recompensador (e até viciante) que seja trabalhar, desligar o computador e tirar alguns dias para esquecer dos projetos é essencial.
É importante que todo designer – em especial aqueles que trabalham por conta própria – planejem suas férias. No retorno ao trabalho, a energia e a criatividade estarão recarregadas.

4) Um bom empreendedor nunca desiste

10-licoes-sobre-design-chaves-empreendedorismo
O personagem de Ramón Valdés, o Seu Madruga, é a verdadeira personificação da perseverança. A cada episódio, lá estava ele se virando como podia. A lista dos seus trabalhos é enorme: sapateiro, vendedor, pintor, carpinteiro, e por aí vai.
Na vida empresarial, também é preciso ser perseverante. Trabalhar por conta própria pode ser frustrante, pois nem sempre as coisas saem como se esperavam. Mas é preciso tentar coisas novas todos os dias e não desistir nas primeiras falhas.

5) As contas sempre chegam

10-licoes-sobre-design-chaves-contas
O personagem de Édgar Vivar, o Seu Barriga, é um constante lembrete de que as contas sempre estarão presentes em nossas vidas.
Por isso, mais uma vez o planejamento é essencial. Saber quais são seus custos mensais o ajudarão a administrar melhor a vida financeira.
Um designer que tem um bom planejamento financeiro acaba se preocupando menos com contas, pois não gasta mais do que recebe, e assim consegue fazer com que sua vida profissional flua mais livremente.

6) É preciso ter cuidado ao entrar em uma sociedade

10-licoes-sobre-design-chaves-sociedade
Quando Seu Madruga e Dona Florinda firmam uma sociedade para venda de churros, o resultado não poderia ter sido outro: o fracasso total.
Antes de entrar em uma sociedade, tenha muito cuidado com o tipo de pessoa com quem irá se associar. Mesmo que seja um colega de faculdade ou um amigo de muitos anos, é preciso descobrir se sua forma de pensar e administrar um negócio é semelhante a do seu futuro sócio.
Além disso, é importante que suas habilidades sejam complementares e que não entrem em conflito criativo com as habilidades da outra pessoa.

7) As aparências podem enganar

10-licoes-sobre-design-chaves-aparencias
No episódio em que Chaves, Quico e Chiquinha precisam entrar na casa da brux… digo, da Dona Clotilde, a imaginação rola solta e eles fantasiam sobre a experiência.
Muitas vezes um designer (talvez por ser criativo até demais) acaba fantasiando muito sobre aquela reunião com um cliente importante ou aquela temida entrevista. Dessa forma, a ansiedade e a insegurança podem aumentar ao imaginarem situações extremas.
É importante manter a calma para passar segurança ao seu cliente ou futuro empregador.

8) Terceirizar serviços requer muita cautela

10-licoes-sobre-design-chaves-terceirizar
No episódio em que Dona Florinda pede ao Chaves que compre um bolo, com intuito de dizer ao Professor Girafales que foi ela que fez, tudo dá errado. E depois, quando Chaves tenta consertar o erro fazendo um bolo junto com a Chiquinha, as coisas só pioram.
Muitas vezes é preciso terceirizar algum serviço para que o mesmo seja entregue na data estipulada. Não há nada de errado com isso. Porém, é necessário muita cautela na escolha do profissional que executará o serviço para você.
Lembre-se que independente do profissional terceirizado que faça o serviço, é a sua reputação que está em jogo. Tenha muito cuidado, para não entregar projetos nas mãos de pessoas desqualificadas.

9) A falta de comunicação pode ser catastrófica

10-licoes-sobre-design-chaves-comunicacao
A famosa frase “já chegou o disco voador” é um clássico exemplo de como a falha na comunicação pode estragar qualquer plano.
Dentro de uma agência de design ou mesmo entre o freelancer e seus clientes é preciso que haja constante comunicação para evitar problemas futuros e irritação desnecessária.
E você? Consegue extrair mais alguma lição do seriado Chaves? Comente logo abaixo!
Fonte: http://www.designerd.com.br/
← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial